Após seis dias de julgamento e 31 testemunhas ouvidas, o caso foi encerrado na noite de sábado (21). Dez anos depois da morte do menino Joaquim, o Tribunal do Júri de Ribeirão Preto, condenou na noite de sábado (21) o padrasto, Guilherme Raymo Longo, a 40 anos de prisão por homicídio qualificado. A mãe do menino, Natália Mingoni Ponte, foi absolvida do crime.

Após seis dias de procedimentos, conduzidos pelo juiz José Roberto Bernardi Liberal, 31 testemunhas ouvidas, incluindo o interrogatório dos réus, o caso foi concluído.

O réu foi considerado culpado por motivo fútil, emprego de meio cruel, uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, além de ser praticado contra uma pessoa menor de quatorze anos de idade. Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, a decisão do júri foi anunciada por volta de 22h15 deste sábado, encerrando o caso. Longo recebeu uma sentença a ser cumprida em regime inicial fechado, e a prisão preventiva foi mantida. Relembre o Caso
O menino Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, foi encontrado morto em um córrego próximo à sua casa em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, em novembro de 2013.

A investigação policial apontou o padrasto da criança, Guilherme Raymo Longo, como principal suspeito pelo crime. Segundo a acusação, ele teria aplicado uma superdosagem de insulina em Joaquim, que era diabético, provocando sua morte.

2 Visualizações totais
1 Visualizações hoje