É o segundo ataque a atingir o prédio, que já tinha sido alvo de tiros em abril de 2020.

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Padilla, informou no domingo (24) em sua conta X, anteriormente conhecido como Twitter, que a embaixada de seu país em Washington foi alvo de um ataque com dois coquetéis molotov.

Rodríguez descreveu o acontecimento como “um ataque terrorista” perpetrado por um único indivíduo e apontou para grupos anticubanos que, segundo ele, “se voltam para o terrorismo”.

O diplomata acrescentou que a ação não causou danos aos funcionários e destacou que este é o segundo ato violento contra a sede diplomática em Washington, fazendo referência ao ataque a tiros que a Embaixada de Cuba sofreu em abril de 2020. Na ocasião, um indivíduo disparou 32 tiros contra o prédio e foi preso pelo Serviço Secreto dos Estados Unidos.

Cuba acusou os EUA de apoiar ataques no passado
Após o ataque a tiros em 2020 contra a embaixada de Cuba nos EUA, o ministro das Relações Exteriores de Cuba garantiu que o governo dos EUA apoiou o homem acusado do ataque, criando as condições para que o ataque ocorresse.

Nessa altura, Rodríguez apresentou imagens do ataque feito por um homem identificado como Alexo Alazo, que disparou 32 tiros contra a fachada da embaixada em Washington e depois rendeu-se sem resistência às autoridades.

O homem disse na época que sofria de doença mental e estava há vários dias sem tomar os medicamentos. Neste momento havia 10 pessoas dentro da embaixada.

Mesmo assim, o governo cubano acusou os EUA de criarem condições para o ataque.

“Seu comportamento em Cuba foi totalmente normal durante os longos anos que viveu em nosso país e durante suas visitas sistemáticas ao nosso país, assim como sua relação com os consulados cubanos que lhe prestaram serviços durante sua estada no exterior”, disse Rodríguez sobre Alazo.

“Tudo isto me faz reiterar que existe uma ligação indiscernível e inconcebível entre a política agressiva de ódio e de instigação à violência seguida pelo governo dos Estados Unidos, que grupos de políticos norte-americanos com inclinação extremista e grupos de origem cubana ou outros com antecedentes de violência criaram as condições para que este ataque ocorresse”, disse Rodríguez.

Relações entre Cuba e EUA
As tensões entre Washington e Havana não diminuíram, apesar de uma série de mudanças nas políticas em relação à ilha nos últimos anos.

Em novembro de 2021, meses depois de Cuba ter visto milhares de cubanos saírem às ruas para exigir liberdade e melhores condições econômicas no que se acredita serem os maiores protestos antigovernamentais desde a revolução de 1959, o governo local acusou os EUA de liderar uma campanha para “causar situações de sofrimento em nosso povo, na esperança de criar as condições para um colapso social”.

Rodríguez culpou a administração Biden pelos planos de grupos de oposição de realizar protestos pacíficos em Cuba, em meio a ameaças dos EUA de impor mais sanções contra a ilha comunista caso os manifestantes fossem presos pela polícia cubana.

Após os protestos, o governo de Cuba reprimiu os manifestantes com julgamentos em massa e longas penas de prisão.

Os EUA e Cuba normalizaram as relações em 2014 e um ano depois restabeleceram as relações diplomáticas após 54 anos. Em 2015, Cuba abriu a sua embaixada em Washington e um ano depois o presidente dos EUA, Barack Obama, fez uma visita histórica de dois dias que incluiu encontros com Raúl Castro e opositores cubanos.

Nesse período de aproximação entre Havana e Washington, ocorreram alguns marcos como a aprovação de voos diretos dos EUA para Cuba e a eliminação da lei “Pés Molhados, Pés Secos”, que permitia a chegada de cubanos aos Estados Unidos sem visto para serem cidadãos residentes.

Mesmo assim, os cubanos podem beneficiar-se da Lei de Ajustamento Cubano (CAA) — de 1966 — e, após um ano, obter uma autorização de trabalho temporária, além de quase sempre terem familiares em Miami. Somente aqueles que atendem a determinados requisitos podem solicitar residência permanente. Embora Obama tenha revogado a primeira lei, a CAA foi aprovada pelo Congresso e não há consenso para revogá-la.

Nos últimos anos, o êxodo cubano tem sido um dos maiores focos, já que entre outubro de 2021 e setembro de 2022, mais de 220 mil cubanos chegaram aos Estados Unidos, segundo o Gabinete de Alfândega e Proteção de Fronteiras.

Em maio de 2022, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou uma série de medidas destinadas a apoiar o povo cubano, como o restabelecimento do Programa Cubano de Liberdade Condicional de Reagrupamento Familiar (CFRP) e o fortalecimento dos serviços consulares e do processamento de vistos, bem como o aumento do limite de remessas.

A medida veio reverter as “políticas fracassadas de Trump que prejudicaram os cubanos e suas famílias”, segundo Biden. A sua administração vinha conduzindo uma revisão das políticas de Trump para Cuba desde que Biden assumiu o cargo em janeiro de 2021.

O aumento das sanções impostas pela administração Trump apertou a já enfraquecida economia de Cuba. Após a pandemia e os protestos generalizados no verão passado, os cubanos começaram a deixar a ilha no maior êxodo em décadas.

Nessa altura, o governo de Cuba descreveu o relaxamento das restrições da administração Biden à ilha como “um passo limitado na direção certa”, que considerou positivo, mas de âmbito muito limitado, no que diz respeito a Cuba no que tange a migração, voos para províncias, remessas e ajustes nas regulamentações para transações com o setor não estatal”, afirma o comunicado do Ministério das Relações Exteriores de Cuba.

Em novembro do ano passado, o governo dos EUA prometeu que a partir do início de 2023 a embaixada em Havana retomaria o processamento completo de vistos de imigrantes pela primeira vez desde 2017, à medida que as autoridades fronteiriças enfrentam um número crescente de cubanos na fronteira sul dos Estados Unidos. Estados.

A medida faz parte de um esforço para expandir as vias legais para os Estados Unidos, desenvolvido na Declaração de Los Angeles sobre Migração e Proteção durante a Cúpula das Américas em junho.

Os Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA (USCIS) também aumentarão o número de funcionários em Havana para processar casos e realizar entrevistas como parte do Programa Cubano de Liberdade Condicional para Reagrupamento Familiar.

A medida, retomada em agosto, permite que certos cidadãos norte-americanos elegíveis e residentes permanentes legais solicitem liberdade condicional para as suas famílias em Cuba, com o objetivo de poderem ser reunidos nos EUA.

1 Visualizações totais
1 Visualizações hoje